Central Sindical
 
 
UNIÃO SINDICAL DOS TRABALHADORES
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
 

 

Central Sindical UST no ato em apoio aos trabalhadores franceses

Nesta terça feira dia 14 de 2016 um grupo de Lideranças realizou ato de apoio aos que lutam na França por direitos trabalhistas e contra os ataques do governo e patronal, em frente ao consulado francês na av. Paulista, em São Paulo, ação conjunta com outras lideranças, realizado em frente ao Consulado Geral da França. Ato de solidariedade aos trabalhadores franceses em luta contra a reforma nas leis trabalhistas, declaramos nosso repudio a repressão aos trabalhadores em luta na França.
Manifestamos o nosso apoio aos que lutam na França por direitos e contra os ataques dos governos e da patronal.  A situação na França é emblemática e nos explica o que ocorre no mundo inteiro, é um modelo de exploração do trabalhador que é reproduzido internacionalmente, um momento em que a crise do capital atinge a todos os trabalhadores.

 

 
 
            
 
ATO PELA REINTEGRAÇÃO DOS METROVIÁRIOS
E EM DEFESA DO DIREITO DE GREVE!
 

No dia 9 de junho, completam-se 2 anos do fim de uma das greves mais poderosas que a categoria metroviária de São Paulo fez e também 2 anos da demissão de 42 companheiros, como retaliação à greve. De lá para cá, conquistamos a reintegração de 5 colegas na batalha pelo retorno de todos.

32 metroviários já tiveram duas vitórias jurídicas, em primeira e segunda instância, com sentenças que apontam a necessidade de anulação da demissão por justa causa sofrida por esses companheiros. A segunda sentença, particularmente, respalda a ação dos metroviários, pela lei de greve, conquista muito importante dos movimentos sociais nos anos 80. Os outros 5 trabalhadores serão julgados em 2ª instância no próximo dia 8/6.

Com esta atividade, queremos fortalecer as iniciativas políticas do Sindicato dos Metroviários de São Paulo na luta pela reintegração e fortalecer a luta pelo direito de greve. Queremos também lembrar desse importante movimento realizado em 2014 não apenas pelo ataque do governo Alckmin, mas também pela força que a união da categoria adquiriu na luta pelos direitos e por um transporte público de qualidade para toda a população.

A atividade contará com a presença de diversas Centrais Sindicais, além de companheiros demitidos políticos de outras lutas, como a greve petroleira de 1995, a luta da Sabesp e a luta do funcionalismo público. Participe e se some a solidariedade aos demitidos e à luta pelo direito de greve.

 
Dia 9 de junho de 2016, às 18h, no Sindicato dos Metroviários de São Paulo

Revisão do FGTS

Se você teve dinheiro na conta do FGTS entre 1.999 e 2.013 pode ter direito a revisão do saldo do FGTS, saiba o que é necessário para dar entrada ao processo de revisão do FGTS.
 
O Supremo Tribunal Federal decidiu que todos os trabalhadores que tinham dinheiro depositado na conta do FGTS entre os anos de 1.999 até 2.013 têm direito a revisão do saldo. Isso porque o FGTS é corrigido pela TR (Taxa Referencial) mais 3% ao ano, porém este reajuste não reflete a real inflação vivida no Brasil, ocasionando enorme perca de dinheiro pelo trabalhador.
 
O índice que deverá ser usado para correção do FGTS é o INPC – Índice de Preço ao Consumidor, pois este índice acompanha a inflação. Tem direito a correção do saldo da conta do FGTS entre os anos de 1.999 até 2.013 todo trabalhador que possuía saldo na conta do FGTS, seja ele aposentado ou não.         

 
informação   Dr. Daniel    Diretor Jurídico       fone 11 2919 8440 
 

Projeto de Lei Complementar 257/16

congelamento de salários e desligamento de servidores

Denunciamos essa posição do Governo, o governo prioriza anteder os interesses do capital, levando ao congresso uma proposta que choca com as agenda dos trabalhadores e dos movimentos sociais.  Não bastasse o arrocho salarial embutido no PLP 257, cujas medidas, teriam duração de 24 meses, está embutida também adoção de medidas estruturais, como a aprovação de uma lei nova de responsabilidade fiscal, reforma da previdência, a elevação das alíquotas de contribuição previdenciária dos servidores, a instituição de regime de previdência complementar (previdência privada), o monitoramento contínuo das contas e adoção de critérios para avaliar de forma pública e periódica programas e projetos.

Direitos básicos dos servidores públicos (federais, estaduais e municipais) estão ameaçados. Suspensão dos concursos públicos, congelamento de salários, não pagamento de progressões e outras vantagens (como gratificações), destruição da previdência social e revisão dos Regimes Jurídicos dos Servidores estão entre as medidas nefastas a serem implementadas. Tudo isso, associado ao aumento dos cortes no orçamento das políticas sociais para o pagamento da dívida pública. Tais medidas são explicitadas no PLP 257/2016, proposto pelo governo federal.

Central Sindical UST está participando de uma frente composta por várias entidades para tentar barrar a aprovação do PLP 257/16 no Congresso Nacional.

Reforma da Previdência aprofunda ataque
à aposentadoria da classe trabalhadora

Governo Temer tem a tarefa de aplicar com rapidez a Reforma Previdenciária e fazer com que os trabalhadores paguem pela crise na Previdência, provocada, principalmente, pelos calotes dos capitalistas. As empresas devedoras da Previdência Social alcançaram R$ 200 bilhões. São milhares de devedores, que incluem bancos públicos e privados, governos estaduais, prefeituras municipais, empresas aéreas, empresas estatais, grandes hospitais públicos e privados, empresas multinacionais, clubes de futebol, entidades “filantrópicas” (lucrativas), Cooperativas, grandes Empreiteiras, Empresas Prestadoras de Serviços, Indústrias, e muita e muitas outras empresas e instituições de todos os segmentos econômicos do Brasil.

O governo atual não é um governo fruto da vontade popular, é tão repudiado pela população como era o governo Dilma e assume os ataques que serão desferidos contra a classe trabalhadora e o povo pobre. Os aumentos de impostos ou a instituição novamente do CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira) que recairá sobre nossos bolsos, além do corte de verbas para saúde e incentivo as privatizações e outras politicas de arrocho.

Fortalecer a luta unificada

Será necessária muita resistência para barrar a Reforma e temos a tarefa de mobilizar com rapidez os movimentos populares para resistir e  lutar. A Central Sindical UST e a COBAPI – Central Brasileira dos Aposentados, Pensionista e Idoso se posiciona contra a reforma do governo Temer e fara oposição frontal a esse governo e suas políticas antitrabalhador.

É um governo representante dos grandes empresários, banqueiros, latifundiários, do grande capital nacional e internacional. Vamos para as ruas e para os locais de trabalho defender as aposentadorias irrisórias contra o maior arrocho proposto pela reforma da Previdência com todo vigor e firmeza, e vamos continuar defendendo o campo alternativo das lutas dos trabalhadores, do povo pobre e da juventude, que são oposição ao governo Temer.

                   
 
Encontro Internacional de Transporte contra a Privatização - São Paulo
 
CONVOCATÓRIA
CONFERÊNCIA REGIONAL DA EUROPA 
UIS - FSM
DINAMARCA, 20 DE JULHO DO 2016
 

Camaradas, a UIS de Pensionistas e Aposentados da Federação Sindical Mundial e os companheiros da Dinamarca, os quais serão os anfitriões. Convidam os sindicatos e as organizações classistas a participar da Conferência Regional da Europa da União Internacional dos Sindicatos dos Pensionistas e Aposentados, que se realizará na Dinamarca, na Escola Sindical Ranzausminde, (Copenhague) no dia 20 de julho de 2016.

A criação desta estrutura regional da UIS de Pensionistas e Aposentados da Federação Sindical Mundial da FSM ajusta-se no quadro dos Estatutos desta UIS aprovados no seu Congresso fundação realizado em Barcelona (fevereiro de 2014), e mostra o rumo ascendente do movimento sindical classista, á vez que salienta o rumo positivo da FSM na Europa.                 leia mais.....
 

Revisão do FGTS

 
Se você teve dinheiro na conta do FGTS entre 1.999 e 2.013 pode ter direito a revisão do saldo do FGTS, saiba o que é necessário para dar entrada ao processo de revisão do FGTS.
 
O Supremo Tribunal Federal decidiu que todos os trabalhadores que tinham dinheiro depositado na conta do FGTS entre os anos de 1.999 até 2.013 têm direito a revisão do saldo. Isso porque o FGTS é corrigido pela TR (Taxa Referencial) mais 3% ao ano, porém este reajuste não reflete a real inflação vivida no Brasil, ocasionando enorme perca de dinheiro pelo trabalhador.
 
O índice que deverá ser usado para correção do FGTS é o INPC – Índice de Preço ao Consumidor, pois este índice acompanha a inflação. Tem direito a correção do saldo da conta do FGTS entre os anos de 1.999 até 2.013 todo trabalhador que possuía saldo na conta do FGTS, seja ele aposentado ou não.         

 
informação   Dr. Daniel    Diretor Jurídico       fone 11 2919 8440 
 
.                                .