Central Sindical
 
UNIÃO SINDICAL DOS TRABALHADORES
 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 


 
 

 
 
2º Ato em homenagem ao Trabalhador
 
UST São Bernardo juntamente com lideranças sindicais do ABCD, realiza o 2º ato de homenagem a talhadoras e trabalhadores de vários seguimentos no dia 20 de fevereiro 2016, inicio as 14 horas, na Câmara Municipal de São Bernardo.
O Ato será organizado para resgatar o caráter classista e independente da luta dos Trabalhadores.
Convidamos a todos para evento de grande significado aos homenageados.
Enivan Gomes – Diretor Nacional

 

Declaração política da plenária sindical e popular do Espaço de Unidade de Ação
 

As perspectivas para o ano de 2016 são de continuidade e aprofundamento das crises econômica e política, e, nessa esteira, do aumento da polarização social que tem marcado a sociedade brasileira e a permanência, na superestrutura política, da polarização entre os dois blocos burgueses, um capitaneado pelo PT e outro pelo PSDB. Esse cenário mantém o nosso desafio de, nas mobilizações da classe, construir uma alternativa dos trabalhadores. 

O novo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, assume a pasta no dia 21 de dezembro e, não só mantém o essencial da política econômica que Joaquim Levy vinha implementando, mas anuncia, com as benções da presidenta Dilma Roussef, uma nova reforma da previdência, que elevaria mais uma vez a idade mínima e igualaria a idade de homens e mulheres para se aposentar.

Mas essa é só a ponta da política econômica que permanece e será aprofundada, com mais ajuste fiscal, ampliação da DRU, a proposta de retorno da CPMF, o arrocho nos salários, desemprego, ampliação da terceirização e da desregulamentação dos direitos trabalhistas, carestia, aumento de tarifas, recessão e aprofundamento da política de privatizações e das terceirizações, como está ocorrendo na Petrobras, nos Correios, nos hospitais universitários, rodovias e aeroportos, dentre outros.  leia mais...

 
Começam as preparações para o 17º Congresso Sindical Mundial
 
                      

O Comitê Organizador, composto por sindicatos sul-africanos e responsáveis pela organização do 17º Congresso Sindical Mundial-FSM, realizou reunião em Johannesburgo e hoje em Durban para organização do Congresso.  O Comitê é composto por lideranças sindicais de diversas organizações na África do Sul. A discussão foi substancial e de consciência de militantes.

O planejamento para sediar o mais importante evento sindical mundial para o movimento classista começou.

Em nome da sede central da FSM os camaradas Nikolas Theodorakis e Anda Anastasaki estiveram presentes nas reuniões.

 

Protesto em São Paulo contra aumento de tarifas de transporte
 
       

diante dura repressão em ato contra tarifa em São Paulo

movimentos organiza bloco de lutas contra o aumento

Organizações formam bloco de lutas e convocam para amanhã (14) pré-ato na Praça da Sé, às 15h, com passeata até o Teatro Municipal. Manifestação se unificará com a mobilização contra o aumento da tarifa. 

Enquanto trabalhadores e ativistas pacíficos de diversos movimentos foram atacados com jatos de spray de pimenta, bala de borracha, cassetetes e bombas de gás lacrimogêneo, Governador  Alckmin (PSDB) e o Prefeito Haddad  (PT) davam as mãos firmando a política de lucrar em cima da população e jogar a conta da crise nas costas do trabalhador

É importante nesse sentido que reivindicamos a imediata abertura e publicação das contas das empresas de transporte, a instalação de audiências públicas para tratar o tema e, por fim, a quebra do sigilo bancário e fiscal das empresas e empresários. Avaliamos que este conjunto de medidas é fundamental para a garantia de um transporte de qualidade, haja vista que todos os anos a população é surpreendida com aumento das passagens, não bastasse o péssimo serviço prestado, com ônibus lotado, poucas linhas e em más condições.

Essas organizações do movimento popular, estudantil e sindical estão unidas por um transporte público de qualidade, contra o aumento da tarifa, em defesa da segunda função nos ônibus e contra a privatização da linha 5 do metrô. Mobilização foi definida em plenária ampliada que aconteceu no Sindicato dos Metroviários de São Paulo e contou com a participação de mais de 160 pessoas representados 30 organizações. 

 

 

Encontro Internacional
de Trabalhadores  de Transporte
 
Encontro Internacional de Trabalhadores e Trabalhadoras de Transporte contra a Privatização de 1 a 3 de julho em São Paulo O sindicato dos metroviários de São Paulo está chamando um Encontro Internacional para discutir a privatização nos transportes seja a venda para o setor privado, a parceria públicoprivada ou concessões, e seus efeitos sobre a qualidade dos transportes, e sobre os direitos dos trabalhadores e trabalhadoras. Além da troca de experiências sobre os processos de privatização e precarização, vamos discutir formas de construir a solidariedade internacional.
O Encontro está marcado para 1 a 3 de julho de 2016, na sede do sindicato em São Paulo, que é o local de batalhas históricas pelos direitos trabalhistas e contra a privatização. Dirigentes e ativistas sindicais de todos os meios de transporte – metro-ferroviário, sobre rodas, aéreo ou marítimo – estão convidados a apoiar e participar. Todo material impresso e vídeo sobre o tema devem ser enviados para que possamos gerar um relatório das lutas contra a privatização. O Encontro será transmitido ao vivo através do canal do sindicato.
As inscrições serão de 4 de janeiro a 16 de maio de 2016.
Mais informações através do e-mail: ust@ust.org.br
                                 
VII Encontro Sindical Nossa América
 
31 de marÇo, 1 e 2 de Abril 
 
Uruguai - Montevidéu

A Central Sindical UST participara com Delegação composta por liderança sindicais filiados e simpatizantes da central na VII° ESNA em Montevidéu, Uruguai para os próximos dias 31/3 á 2/4 2016.
A partir do VII ESNA, que estamos desafiados a construir os mecanismos de resistência e acumulação de poder popular para além das fronteiras, dos territórios em que atuamos. Por isso, além de convocar o VII° ESNA em Montevidéu, Uruguai para os próximos dias 31/3 e 1º e 2/4 2016, convidamos outras organizações de trabalhadoras e de trabalhadores de todo o mundo para discutir uma estratégia comum.
Pretendemos avançar na organização e luta do movimento sindical para enfrentar o projeto de poder. Queremos acabar com o pagamento do custo da crise mundial pelos/as trabalhadores/as e criar condições para assumir o projeto social pela emancipação e a libertação social.   
Feminismo se tornou a empregada do capitalismo

Como feminista, sempre entendi que ao lutar para emancipar as mulheres eu estava construindo um mundo melhor — mais igualitário, justo e livre. Mas ultimamente comecei a desconfiar que os ideais desbravados pelas feministas têm servido para fins bem diferentes. Eu me preocupo, especificamente, que a nossa crítica ao sexíssimo esteja agora servindo de justificativa para novas formas de desigualdade e exploração.   Numa virada cruel do destino, temo que o movimento pela libertação feminina tenha se enredado perigosamente com os esforços neoliberais de construir uma sociedade de livre mercado. Isto explicaria como pode ser que a ideia feminista antes parte de uma visão radical de mundo, cada vez mais têm sido expressas em termos individualistas. Se antes feministas criticavam uma sociedade pró-carreirismo, agora aconselham as mulheres a se envolver mais nas carreiras. Um movimento que antes priorizava a solidariedade social e agora celebra empreendedores femininos. Uma perspectiva que antes valorizava o “cuidado” e a interdependência e agora encoraja o crescimento individual e a meritocracia.   leia mais....

 
Solidariedade internacional
UIS dos Aposentados da FSM apoia
a classe trabalhadora francesa

 

 

Quim Boix  Secretário-Geral da UIS - União Sindical Internacional do Aposentado

Barcelona (Estado espanhol), 16 de novembro de 2015
 

A UIS - União Sindical Internacional dos Aposentados da Federação dos Sindicatos Mundial (FSM), expressa a nossa condenação ao trabalhador francês, pelos fortes dos ataques criminosos realizados em Paris sexta-feira passada. Expressamos a nossa solidariedade para com as vítimas e suas famílias e com a classe trabalhadora e o povo francês.

Essas ações criminosas são mais um episódio no cenário global violência gerada pelo imperialismo internacional, fruto da sua vontade de controlar a riqueza do planeta.  Para isso utiliza guerra, contra os colonos a centenas de anos. O mesmo crime (também disfarçados objetivos teóricos nobres) tem o objetivo de saquear os povos.

O povo é soberano e com a classe trabalhadora (única produtora de riqueza) podemos decidir o futuro da humanidade por caminho pacífico.  ler mais . . . imprimir

.                                .