Central Sindical
 
 
UNIÃO SINDICAL DOS TRABALHADORES
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
 

 
 
Sandro Fantini toma posse e reafirma a unidade na luta pelos direitos dos trabalhadores

Sandro Fantini, foi homenageado na posse da Presidência da Central Sindical UST Mato Grosso do Sul, que aconteceu na Câmara Municipal de  Amambai no dia 19 de abril de 2016, contou com as presenças do Presidente da Câmara o vereador Anilson Prego e do Ex Deputado Federal Antônio Carlos Biffe.

A cerimônia foi marcada por um ato político que expressava o avanço da unidade na luta pelos direitos dos trabalhadores e em especial, Homenagem aos povos Indígenas.

O Presidente da UST, Carlos Borges, falou em referência ao dia do Índio, para lembrar as lutas indígenas no Brasil e fez um resgate da trajetória da UST, da necessidade de buscar unidade entre os diferentes setores na luta por unidade contra o Ajuste Fiscal que retiram direitos dos trabalhadores.

Foram unânimes as intervenções em defesa da unidade e disposição para enfrentar a dureza, em meio à crise econômica mundial, destacaram a importância da política na busca por melhores salários e ampliar os direitos.

A atividade foi encerrada com pronunciamento do Presidente Fantini, já empossado lembrou o caminho da luta para enfrentar os pequenos e grandes desafios. Nesse último período, tivemos grandes exemplos de mobilizações que garantiram a manutenção e ampliação de direitos, mesmo com toda a pressão da crise.

 
 

Contra PLP 257/16, servidores públicos organizam atos e paralisações dia e 14

 

Os representantes dos servidores decidiram por participar de audiência pública na Comissão de Direitos Humanos no Senado Federal, na próxima segunda (11). Nos dias 13 e 14 (quarta e quinta) realizarão mobilização e paralisação nacional com atos nos estados, para denunciar também à sociedade os riscos do projeto. Também no dia 14, os servidores farão ato nacional em Brasília, com concentração a partir das 9h, no anexo III da Câmara dos Deputados, e ações no Congresso Nacional. Ainda no dia 14, no período da tarde, será realizada reunião ampliada dos servidores estaduais, municipais e federais para definir novas ações contra o PLP 257/16.

 
   
Nessa quarta-feira, 6 de abril, na Assembleia Legislativa de São Paulo, foi realizada uma audiência pública para debater as denúncias de corrupção no Metrô, o avanço da terceirização, a política de precarização do governo Alckmin e também as recentes denúncias sobre o desvio de verbas da merenda do líder do governo Fernando Capez, alvo de protestos recentes de estudantes e das torcidas organizadas.
Audiência Pública “Os Escândalos no Metrô”. O evento, no auditório Teotônio Vilela da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, tem apoio do Sindicato dos Metroviários, FENAMAT e as Centrais Sindicais UST – Conlutas e CTB. De acordo com as Centrais Sindicais, além do chamado “Propinoduto Tucano”, a audiência também denunciará o calote de R$ 66 milhões que o governo deu no Metrô (referente às verbas das gratuidades no transporte), os trens “depenados” que servem de estoque de peças para outras composições e os 26 trens novos que estão parados na Linha 5-Lilás.
Entidades e organizações políticas, também participaram e interviram na audiência, que no final encaminhou um plano de trabalho para o próximo período com uma nova reunião marcada para o dia de hoje.
 

2° Encontro do Trabalhador

São Bernardo – São Paulo

Homenagem à classe trabalhadora
 

No último sábado (20 fevereiro 2016) ocorreu 2° Encontro do Trabalhador  na cidade de São Bernardo (SP). Foram discutidos temas como a atual conjuntura política do país e a política que deverá ser aplicada para enfrentar essa realidade, na perspectiva do fortalecimento das lutas para o ano de 2016 e homenagem à lasse trabalhadora.

A Central Sindical UST vem se fortalecendo em vários setores como uma referência para a luta da classe e espaço de organização de setores sindical, popular e da juventude e com participação de dirigente sindical, UST promove sessão solene em homenagem ao Trabalhador.

Carlos Borges, Presidente Nacional da UST falou sobre a  reorganização do movimento no terreno da organização sindical e popular de nossa classe que podemos ter um papel muito mais destacado no movimento sindical e no processo eleitoral, em eleições totalmente controladas pelas máquinas eleitorais dos grandes partidos e pelo grande empresariado, que financia a maioria dos eleitos, a consequência direta são os ataques aos trabalhadores.

Iniciativa foi proposta da realização do 2° Encontro do Trabalhador Homenagem à classe trabalhadora é do Diretor Nacional Enivam Gomes e a Direção Regional do Grande ABCD-SP

Dívida pública, juros para poucos e prejuízos para muitos: entenda mais sobre esta fraude

        Flavia Ferreira
A primeira decisão tomada quando se vai dividir o dinheiro público é: quanto sobrará para os banqueiros no chamado superávit primário. O governo sempre gasta com previdência, educação e etc menos do que arrecada, uma parte considerável desse gasto (cerca de 39% ou 1,131 trilhão de reais ) vai para amortizações da dívida, que são os títulos que o governo tem que pagar. Mas antes de definir quanto ele vai gastar em cada coisa é definido quanto se pagará de juros, o chamado superávit primário. 

 

Declaração política da plenária sindical e popular do Espaço de Unidade de Ação
 

As perspectivas para o ano de 2016 são de continuidade e aprofundamento das crises econômica e política, e, nessa esteira, do aumento da polarização social que tem marcado a sociedade brasileira e a permanência, na superestrutura política, da polarização entre os dois blocos burgueses, um capitaneado pelo PT e outro pelo PSDB. Esse cenário mantém o nosso desafio de, nas mobilizações da classe, construir uma alternativa dos trabalhadores. 

O novo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, assume a pasta no dia 21 de dezembro e, não só mantém o essencial da política econômica que Joaquim Levy vinha implementando, mas anuncia, com as benções da presidenta Dilma Roussef, uma nova reforma da previdência, que elevaria mais uma vez a idade mínima e igualaria a idade de homens e mulheres para se aposentar.

Mas essa é só a ponta da política econômica que permanece e será aprofundada, com mais ajuste fiscal, ampliação da DRU, a proposta de retorno da CPMF, o arrocho nos salários, desemprego, ampliação da terceirização e da desregulamentação dos direitos trabalhistas, carestia, aumento de tarifas, recessão e aprofundamento da política de privatizações e das terceirizações, como está ocorrendo na Petrobras, nos Correios, nos hospitais universitários, rodovias e aeroportos, dentre outros.  leia mais...

Feminismo se tornou a empregada do capitalismo

Como feminista, sempre entendi que ao lutar para emancipar as mulheres eu estava construindo um mundo melhor — mais igualitário, justo e livre. Mas ultimamente comecei a desconfiar que os ideais desbravados pelas feministas têm servido para fins bem diferentes. Eu me preocupo, especificamente, que a nossa crítica ao sexíssimo esteja agora servindo de justificativa para novas formas de desigualdade e exploração.   Numa virada cruel do destino, temo que o movimento pela libertação feminina tenha se enredado perigosamente com os esforços neoliberais de construir uma sociedade de livre mercado. Isto explicaria como pode ser que a ideia feminista antes parte de uma visão radical de mundo, cada vez mais têm sido expressas em termos individualistas. Se antes feministas criticavam uma sociedade pró-carreirismo, agora aconselham as mulheres a se envolver mais nas carreiras. Um movimento que antes priorizava a solidariedade social e agora celebra empreendedores femininos. Uma perspectiva que antes valorizava o “cuidado” e a interdependência e agora encoraja o crescimento individual e a meritocracia.   leia mais....

 
Solidariedade internacional
UIS dos Aposentados da FSM apoia
a classe trabalhadora francesa

 

 

Quim Boix  Secretário-Geral da UIS - União Sindical Internacional do Aposentado

Barcelona (Estado espanhol), 16 de novembro de 2015
 

A UIS - União Sindical Internacional dos Aposentados da Federação dos Sindicatos Mundial (FSM), expressa a nossa condenação ao trabalhador francês, pelos fortes dos ataques criminosos realizados em Paris sexta-feira passada. Expressamos a nossa solidariedade para com as vítimas e suas famílias e com a classe trabalhadora e o povo francês.

Essas ações criminosas são mais um episódio no cenário global violência gerada pelo imperialismo internacional, fruto da sua vontade de controlar a riqueza do planeta.  Para isso utiliza guerra, contra os colonos a centenas de anos. O mesmo crime (também disfarçados objetivos teóricos nobres) tem o objetivo de saquear os povos.

O povo é soberano e com a classe trabalhadora (única produtora de riqueza) podemos decidir o futuro da humanidade por caminho pacífico.  ler mais . . . imprimir

.                                .